Orientação Médica Orientação Odontológica Orientação Nutricional Atividade Física
Jornal Omint
/ Falando em Saúde - Orientação Nutricional - Cuidado Nutricionais no Idoso

 

Cuidado Nutricionais no Idoso

No processo de envelhecimento normal ocorrem alterações fisiológicas e biológicas que afetam a alimentação e a nutrição do idoso. E as doenças crônico-degenerativas (diabetes, hipertensão, obesidade e doenças cardiovascular) comuns na população idosa sofrem influência da dieta na sua prevenção e tratamento. A alimentação pode interferir tanto no aparecimento da doença como na determinação de sua gravidade, o que justifica a preocupação com o padrão alimentar no envelhecimento.

Principais alterações fisiológicas e conseqüências no consumo alimentar e estado nutricional durante o processo de envelhecimento:

Alteração Fiisológica

Efeito

1. Percepção do olfato/paladar
2. Perda progressiva do número de papilas gustativas e da secreção salivar

Redução no apetite, perda de peso e desnutrição, alteração da composição nutricional da dieta

3. Consumo de medicamentos que podem levar alteração da palatabilidade, diminuição da sensibilidade olfativa

Limitações na ingestão alimentar, na absorção e interação com nutrientes alterando sua utilização e a ingestão alimentar

4. Menor capacidade de mastigação (por falta de dentes ou pelo uso de próteses mal adaptadas e também alguns distúrbios da deglutição

Redução no consumo alimentar

5. Redução na produção de enzimas

Má digestão e diminuição de absorção da nutrientes, principalmente vitamina B12

6. Redução da deficiência no sistema imunológico

Torna o organismo mais susceptível a desnutrição

 O fracionamento aumentado e o volume reduzido das refeições, ou seja comer pouca quantidade várias vezes no decorrer do dia, facilita o processo de digestão, absorção e aproveitamento dos alimentos. Portanto, é recomendável o consumo de quatro a seis refeições diárias, como por exemplo: desjejum, lanche manhã, almoço, lanche tarde e jantar . É importante que a refeição apresente aspectos agradáveis como: cor, sabor, aroma e textura.

As necessidades nutricionais do idoso

O uso de carboidratos complexos (batata, arroz, mandioca, pães) e fibras na dieta (aveia, farelo de trigo, arroz integral, frutas e hortaliças) são altamente indicados por serem importantes na prevenção e controle de doenças cardiovasculares, diabetes e obstipação intestinal, comuns nesta fase da vida.
Com relação às gorduras, recomenda-se que se reduza o uso de gordura saturada (carnes gordas, leites e derivados, óleo de dendê e coco) e colesterol, dando preferência às gorduras insaturadas (óleos vegetais; soja, milho, canola, azeite de oliva e peixes). Substituir as carnes gordas (porco, picanha, contra filét) e os embutidos (lingüiça, salsicha, salame, mortadela, presunto, etc), pelas carnes magras (filé mignon, coxão mole, patinho e lagarto) e carnes brancas (frango sem pele e peixes).

As frutas, verduras e legumes são fontes de vitaminais e sais minerais, portanto inclua em todas as refeições.

A prevalência da osteoporose está associada à redução da massa óssea em decorrência do aumento da idade e com isso eleva o risco de fraturas, principalmente entre mulheres após a menopausa. A absorção do cálcio também diminui com a idade e sua suplementação é necessária. Aumentar o consumo de alimentos ricos em cálcio (leite e derivados), fazer atividade física e exposição ao sol auxiliam para melhor absorção no organismo.

A água, que é um nutriente muito importante nos idosos, muitas vezes é esquecida. A inadequada ingestão de água leva à desidratação e problemas associados com hipertensão, elevação na temperatura corporal, obstipação intestinal, secura das mucosas e diminuição da excreção de urina. Portanto consuma de 4 a 6 copos de água , chás e sucos por dia.

Um cuidado nutricional preventivo é importante, pois na 3a idade é que algumas doenças como (hipertensão arterial, obesidade, doenças cardiovasculares, diabetes mellitus, osteoporose e outras) aparecem. A atenção em desenvolver atividade física e os hábitos alimentares saudáveis podem fazer diferença e farão com que se sintam melhor nos anos futuros.

Cecília Tanigaki da Silva
Hospital do Coração – Hcor - SP