Orientação Médica Orientação Odontológica Orientação Nutricional Atividade Física
Jornal Omint
/ Falando em Saúde - Orientação Nutricional - Dietoterapia na Hiperuricemia

 

Dietoterapia na Hiperuricemia

Introdução:

Consideramos o estado nutricional de uma pessoa um "sinal vital "de sua saúde. A dietoterapia associada a determinadas doenças consiste em orientações gerais àqueles que necessitem de recomendações específicas para
adequar seus hábitos alimentares.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Gota é um termo genérico que representa um conjunto de doenças com muitas manifestações secundárias ao aumento da concentração de ácido úrico no sangue com ataques subsequentes de artrite, depósito de cristais de ácido úrico
nas cartilagens , lesão renal e etc.

O aumento de ácido úrico decorre basicamente de produção excessiva ou diminuição na sua eliminação através dos rins ou pela associação destas duas condições.

A finalidade da dieta é de prevenir os ataques de gota e diminuir as dores articulares (reumatismo gotoso) e demais lesões que possam vir a ser causadas pelo aumento
do ácido úrico.

É recomendado o consumo mínimo de dois litros de líquidos por dia, para auxiliar na eliminação do ácido úrico e minimizar a possibilidade de formação de cálculos.

A alimentação pode influir muito na elevação do ácido úrico, portanto devemos evitar:

- alimentos gordurosos, carnes gordas e frituras, pois a gordura diminui a eliminação de ácido úrico pelos rins;
- embutidos como salsicha, linguiça, presunto, salame;
- vísceras (miúdos) como coração, rins e fígado;
- alguns peixes e frutos do mar como sardinha, anchova, mariscos, mexilhão, salmão e pescada em menor proporção;
- queijos amarelos ( mussarela, provolone, parmesão, catupiry, prato), requeijão, creme de leite;
- conservas em óleo;
- biscoitos amanteigados, doces gordurosos e chocolate;
- bebidas alcoólicas;
- caldos de carne ou frango (caseiros ou em tabletes), consomé , brodos;
- leguminosas secas (feijão, lentilha, ervilha, grão-de-bico) deve ser consumido no máximo duas vezes por semana, de preferência consumir batido e coado;
- verduras e legumes como cogumelos, aspargos , couve-flor , espinafre e tomate;
- frutas oleaginosas como: coco, nozes, amendoim, castanha do Pará, castanha de caju e pistache.

Dada a diversidade de alimentos que influem na produção do ácido úrico, é importante que os indivíduos portadores de hiperuricemia recebam uma adequada orientação dietética por parte de uma nutricionista, indicada pelo seu médico.

Equipe de Nutrição do Hospital do Coração Supervisionada pela Nutricionista Rosana Perim Costa.